Veja o que muda com a nova gasolina e como ela vai afetar a sua rotina nos próximos anos.

 

O Brasil introduziu em 2020 especificações para uma nova gasolina que vem sendo desenvolvida e que muito em breve servirá como padrão nacional no que diz respeito aos combustíveis.

 

De acordo com o órgão regulador ANP (Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis), os principais objetivos são melhorar a qualidade dos combustíveis, aumentar a eficiência energética, melhorar a autonomia dos veículos e impulsionar o uso de tecnologias de motores mais eficientes, com menores níveis de consumo e emissões.

 

Veja quais são as diferenças da nova gasolina e como ela vai impactar na sua rotina:

O QUE MUDOU… 

NA SUA COMPOSIÇÃO?

A principal alteração na nova gasolina está baseada na sua massa e no número de octanagem, que é conhecido na indústria do petróleo como RON (Research Octane Number).

 

Em termos mais simples, a massa está relacionada a densidade do combustível e octanagem se refere a resistência à combustão (quanto maior octanagem, maior desempenho).

 

Até o momento atual, não existia um padrão que os combustíveis deveriam seguir, mas com a Resolução ANP 807/20 - cuja segunda fase entrará em vigor em janeiro de 2022 - foi decidido que a gasolina regular, seja produzida no Brasil ou importada, deve ter massa específica mínima de 715 kg / m³.

 

A atualização do padrão mostra um esforço para tornar a gasolina brasileira mais