Corona Vírus no agronegócio

Veja quais foram os impactos causados pelo coronavírus no agronegócio e quais as perspectivas para o futuro.

 

A pandemia do COVID-19 é uma crise global de saúde que já está causando impactos devastadores na economia mundial - tanto diretamente quanto por meio de medidas necessárias para conter a propagação da doença. 

 

Esses impactos também estão sendo sentidos pelo setor de alimentos e agricultura. 

 

Embora a pandemia do coronavírus no agronegócio represente alguns sérios desafios para o sistema alimentar no curto prazo, também é uma oportunidade de acelerar as transformações no setor de alimentos e agricultura e construir sua resiliência diante de uma série de desafios, incluindo as mudanças climáticas. Entenda:

O impacto do coronavírus no agronegócio

Atualmente, não há razão para a crise da saúde se transformar em uma crise global de alimentos. O suprimento de culturas básicas é grande, as perspectivas de produção são favoráveis ​​e os estoques de cereais devem atingir o terceiro nível mais alto já registrado.

 

Além disso, a maioria dos países designou o setor agrícola e agroalimentar como essencial e isento do fechamento de negócios e restrições sobre movimento. 

 

No entanto, o vírus representa uma séria ameaça à segurança alimentar e aos meios de subsistência nos países mais pobres, onde os sistemas de produção agrícola são mais intensivos em mão de obra e há menos capacidade de suportar um choque macroeconômico grave.

 

A boa notícia é que há sinais de que as empresas da cadeia alimentar já estão se adaptando às mudanças na demanda. Por exemplo, mudando de linha de produção e aumentando sua capacidade de gerenciar estoques maiores, mudança para plataformas online e entrega direta às famílias e contratação de pessoal temporário. 

 

 

Oportunidades crescimento

Garantir que o sistema alimentar seja mais sustentável e resiliente é agora uma prioridade ainda mais urgente. 

 

Os impactos do coronavírus na agricultura oferecem uma oportunidade de aprender mais sobre pontos de estrangulamento e vulnerabilidades no sistema alimentar, a fim de identificar os investimentos e reformas necessários para a resiliência do setor a uma série de futuros choques e desafios. Alguns exemplos incluem:

 

  • Investimento em soluções como o blockchain, para que informações em tempo real possam ser disponibilizadas para os tomadores de decisão e ajude a aumentar a confiança no fornecimento durante as crises;
  • Aumento dos esforços nacionais e internacionais para aumentar os arranjos adequados de biossegurança para aumentar a capacidade dos países de gerenciar riscos sanitários e fitossanitários emergentes;
  • Fortalecimento das estratégias de comunicação do governo para melhorar a confiança do consumidor na segurança e confiabilidade do sistema agroalimentar.

Ainda há espaço para melhoria

Hoje existe uma oportunidade de não apenas responder efetivamente à crise do coronavírus no agronegócio, mas também liberar recursos financeiros para investimentos em um sistema alimentar mais produtivo, sustentável e resiliente, capaz de enfrentar novos desafios. 

 

O choque inesperado do COVID-19 ressalta a necessidade de uma mudança das políticas de “negócios como de costume” para um pacote de políticas mais voltadas para o futuro que investe na produtividade, tecnologia e sustentabilidade.